domingo, 28 de agosto de 2016

COMO RENAN, LINDBERGH É INVESTIGADO POR INTEGRAR ESQUEMA DO PETROLÃO




ANA AMÉLIA REPRESENTA CONTRA GLEISI HOFFMANN NO CONSELHO DE ÉTICA DO SENADO



As declarações da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) sobre a falta de autoridade moral dos senadores para julgar o processo de impeachment não causaram apenas um turbilhão de ofensas e agressões verbais. O sinal de que a tempestade apenas começava foi dado no mesmo instante da declaração em plenário, com câmeras de TV a registrar o quase confronto braçal entre Lindbergh Farias (PT-RJ) e Ronaldo Caiado (DEM-GO), ao vivo e em rede nacional.
No dia seguinte, além de fazer o próprio presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), entrar na briga e dizer que evitou o indiciamento da petista no Supremo Tribunal Federal (STF), o que também quase gerou agressão física com Lindbergh, a senadora Ana Amélia (PP-RS) anunciou representação no Conselho de Ética contra a colega (leia íntegra abaixo). No documento, a parlamentar gaúcha diz que Gleisi, além de atentar contra a honra dos pares, provocou “flagrante prejuízo da já péssima imagem do Poder Legislativo nacional”.
Ana Amélia pede que Gleisi ”preste os devidos esclarecimentos com vistas a elucidar quais são os senadores que não têm moral para julgar a presidente afastada Dilma Rousseff”.

TEMER PREPARA MUDANÇAS EM VITRINES SOCIAIS DO PT

O presidente da República em exercício, Michel Temer durante a cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos Rio-2016, no estádio do Maracanã

O presidente em exercício Michel Temer prepara mudanças na área social do país caso o afastamento de Dilma Rousseff se confirme, segundo o jornal O Estado de S.Paulo. Com alterações em programas petistas, a retomada da reforma agrária e a implementação de iniciativas de impacto eleitoral, o governo visa acabar com o discurso de que a gestão peemedebista representaria um retrocesso, além de se aproximar das camadas mais pobres, que formaram a principal base de apoio às gestões Dilma e Luiz Inácio Lula da Silva.
A proposta inclui mudanças em pelo menos cinco programas considerados bandeiras do PT – Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida, Ciência sem Fronteiras, Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) e Transposição do São Francisco – e o lançamento de outros dois – um destinado a atender crianças da primeira infância e outro de reforma de casas populares, com recursos federais.
Após as eleições municipais, Temer deve lançar um plano de inclusão produtiva, que pretende dar uma nova cara ao Bolsa Família. Depois de anunciar um reajuste de 12,5% no valor do benefício, o Planalto quer combater a informalidade no mercado de trabalho verificada entre os atendidos pelo programa – cerca de 14 milhões de famílias. A ideia é estimular que tenham carteira de trabalho assinada, garantindo o recebimento do benefício por um a dois anos mesmo depois de empregados.
“Não tem nenhum retrocesso na agenda social, só temos uma visão diferente: o governo anterior tinha uma visão mais assistencialista, enquanto nós achamos que as pessoas não precisam se conformar com o benefício”, disse ao Estado o ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra. “Da maneira como está, ninguém sai do Bolsa Família, só entra.”
O governo estuda ainda organizar pequenas incubadoras de startups para jovens beneficiados e parcerias com gigantes do setor de informática a fim de estimular o empreendedorismo. Prefeitos cujos municípios registrem a maior proporção de famílias emancipadas receberão diploma das mãos de Temer, fortalecendo o discurso de combate à pobreza, e serão premiados – o valor deve ficar entre 100.000 e 3 milhões de reais, segundo Terra.
O roteiro para os primeiros meses do governo efetivo de Temer inclui o lançamento do Criança Feliz, projeto que prevê o acompanhamento de crianças de até 3 anos que são filhas de beneficiários do Bolsa Família. “Os programas de desenvolvimento (social) serão mantidos e majorados. O governo busca normalizar e pacificar o país”, disse o ministro-chefe da Casa Civil Eliseu Padilha.
Segundo O Estado de S.Paulo, Temer deverá anunciar no próximo mês uma nova política de reforma agrária, conferindo aos beneficiados o título de domínio da propriedade e retirando de movimentos sociais, como o MST, o papel de selecionar as famílias. O Planalto também pretende corrigir distorções apontadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU), que identificou até casos de servidores públicos beneficiados com a distribuição de terras.
No dia 9 deste mês, Temer lançou um programa de revitalização de 1,2 bilhão de reais da Bacia do Rio São Francisco intitulado “Novo Chico”, que inclui recuperação de áreas, controle de processos erosivos e a implementação de técnicas de irrigação mais modernas. A transposição e a recuperação do rio foram uma das principais bandeiras da campanha à reeleição de Dilma, impulsionando seu desempenho no Nordeste – depois de muitos atrasos, a obra só deverá ficar pronta em 2017.

Educação

Outra bandeira petista que será alterada é o Pronatec, que deverá oferecer cursos mais voltados para a realidade de cada município. O Ciência Sem Fronteiras será reformulado, com o fim das bolsas para graduação, e dará prioridade a jovens pobres do ensino médio matriculados em escolas públicas. “Eles estão destruindo esses programas e reduzindo recursos para a educação”, criticou o ex-ministro Miguel Rossetto, um dos auxiliares mais próximos de Dilma.
(Com Estadão Conteúdo)

SENADORES QUE APOIAM IMPEACHMENT DISCUTEM ESTRATÉGIAS PARA O DEPOIMENTO DE DILMA


Brasília - Os senadores Aloysio Nunes, Cássio Cunha Lima, Aécio Neves e Ronaldo Caiado em reunião com senadores da base governista, favoráveis ao impeachment, na liderança do PSDB no Senado (José Cruz/Agência Brasil)
Os senadores que apoiam o impeachment da presidenta afastada Dilma Roussef disseram que o tom dos questionamentos que serão feitos à petista dependerá das respostas dela. Eles estão reunidos neste domingo (28), na liderança do PSDB, no Senado, para traçar as estratégias para a oitiva de Dilma segunda-feira (29), às 9h, no Senado.
Segundo o presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), se Dilma errar no tom, as respostas serão à altura. “Nós estamos preparados para fazer os questionamentos com absoluto respeito a presidente afastada. Obviamente que ela dará o tom. Esperamos que seja um tom a altura desse momento difícil que passa o Brasil”, disse.
O senador, adversário de Dilma nas eleições de 2014, classificou a ida de Dilma ao Senado como “adequada”. Ele disse ainda que o momento político é delicado, não é de festa. “Não é um momento de festa, nem para aqueles que apoiam o impeachment, nós sabemos que esse processo deixa traumas não apenas no Congresso, mas na própria sociedade”, disse.
O líder do DEM, senador Ronaldo Caiado (GO), disse que as perguntas dos senadores que querem o impeachment farão serão técnicas e que eles “não vão cair em provocação”.
Já o senador Agripino Maia (DEM-RN) disse que a ordem é “não correr risco de mudar o resultado do jogo”. Maia disse que Dilma usará em seu discurso o que chamou de “vitimologia” e que a fala da petista será emotiva visando “usar a emoção para conquistar os votos que ainda não conquistou”.
Em sua fala no Senado, Dilma terá 30 minutos para apresentar sua defesa. O tempo poderá ser estendido a critério do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski. Em seguida, ela responderá aos questionamentos dos senadores. Cada parlamentar terá até cinco minutos para seus questionamentos. Mais de 40 parlamentares estavam inscritos para questionar a presidente afastada.
O tempo de resposta de Dilma é livre e não será permitida réplica e nem tréplica. Dilma também poderá deixar de responder as indagações dos senadores. Ela também responderá a eventuais questões formuladas pela acusação e pela defesa.
Também participam da reunião o líder do Governo na Casa, Aloysio Nunes (PSDB-SP), Álvaro Dias (PV-PR), José Anibal (SP), Cássio Cunha Lima (PB), Tasso Jereissati (CE), Ricardo Ferraço, Waldemir Moka (PMDB-MS), Paulo Bauer (PSDB-SC), Ana Amélia (PP-RS), Lasier Martins (PDT-RS) e o líder do PSDB na Câmara, deputado Antonio Imbasshay (BA).

VEREADOR ZEZÃO DENUNCIA A POLÍTICA ADOTADA PELO CANDIDATO IVO GOMES NO CARACARÁ

E o pau quebrou nas bandas do distrito do Caracará. Confundiram “inauguração” de um Posto de Saúde com “campanha política”, e o que seria apenas a entrega de mais um equipamento público, construído com dinheiro do governo Federal, se tornou num comício político.
O líder político do Caracará, Vereador Zezão(PMDB) foi a bola da vez, sendo o alvo principal das camufladas criticas feitas durante o ato político de inauguração. Após a inauguração, os boatos se espalharam e a reação foi de imediato. Várias lideranças e o povo quase que de forma geral, se manifestaram em apoio a Zezão.
Hoje o candidato IVO Gomes faz um comício no Caracará, e veja o que postou o Vereador Zezão no seu Facebook:
ABSURDO O QUE ACONTECE NO CARACARÁ.
Como se não bastasse as servidoras da educação terem sido obrigadas a andar de casa em casa ontem no Caracará convidando a população para o comício do Ivo hoje , eis que a gerente do Posto de Saúde manda uma intimação para todos os servidores da saúde para comparecerem hoje como sem falta.
O pior de tudo é que a gerente diz na mensagem via whatsap que foi a pedido da Dra, Mônika, e que se o Moses ganhar vai acabar com o Instituto da saúde e todos estarão desempregados.
Peço encarecidamente a todos os servidores que compareçam ao evento, balancem bandeira, cantem a música deles.
Eles são perversos , se faltarem vcs poderão perder o emprego.
Eles se acham acima da Lei.
no dia 02 a gente dá o recado….
a boa aabacaxi
Fonte: Sobral Agora

PLANALTO TEM CERTEZA DE QUE 61 SENADORES VOTARÃO CONTRA DILMA



O núcleo mais íntimo do presidente Michel Temer fez e refez as contas e está seguro: ao menos 61 votos dos senadores colocarão Dilma Rousseff, a presidente ré, no olho da rua. Um aliado um pouco inseguro perguntou ao presidente Michel Temer se ao menos será repetida a votação da pronúncia de Dilma, aprovada pelos votos de 59 senadores. Ele respondeu com segurança, sem hesitar: “Serão 61”. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder.
Até agora, apenas 52 senadores confirmam os votos contra Dilma. Outros nove pró-impeachment escondem o jogo para evitar pressões.
A situação de Dilma está tão definida que seus defensores, como José Eduardo Cardozo, pararam de pedir votos em seu favor.
O apoio a Dilma diminuiu desde a primeira votação no Senado e ela terá dificuldades para reunir vinte votos.

sábado, 27 de agosto de 2016

45% DOS JOVENS NÃO VOTARIA PARA IVO GOMES PARA PREFEITO DE SOBRAL



Fonte: Wilson Gomes

MOSES RODRIGUES LIDERA PESQUISA ESPONTÂNEA MAS O DN NÃO DIVULGA


O Diário do Nordeste engoliu a votação de Moses e divulgou o resultado que deveria ser do candidato do PSol, Edmilson como sendo de Moses. Desconsidere o demonstrativo, apresentado pelo jornal na edição deste sábado.
Fonte: Wilson Gomes

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

SUÍÇA NEGA RECURSO DA ODEBRECHT E ENVIARÁ DOCUMENTOS À LAVA JATO


A Corte de Apelação do Tribunal Criminal Federal da Suíça rejeitou na semana passada o pedido da defesa da Odebrecht para que o Ministério Público daquele país fosse impedido de enviar para a Operação Lava Jato as movimentações financeiras da empreiteira. De acordo com o MP suíço, a decisão autoriza a remessa ao Brasil de “milhares de páginas” de documentos relacionados à empresa.
Em meados de 2015, a Procuradoria da Suíça concordou em colaborar com o Brasil e enviar os dados bancários aos procuradores nacionais. Mas desde outubro do ano passado, a Odebrecht tenta impedir que informações sobre transações e dados sobre seus executivos mantidos em sigilo nos bancos suíços sejam usados pelo juíz Sérgio Moro. As evidências são consideradas como fundamentais para o processo contra Marcelo Odebrecht, mas também no que se refere a uma dezena de outros nomes ainda não revelados.
“No dia 10 de agosto de 2016, a Corte de Apelação do Tribunal de Bellinzona rejeitou, em quatro diferentes decisões, os recursos que as partes envolvidas submeteram contra a decisão da Procuradoria-Geral da Suíça”, indicou o MP em Berna, em comunicado oficial. Com a decisão, restou apenas mais um último recurso e o caso foi levado à Corte Federal de Lausanne, a mais alta do país.
Dados revelaram que os documentos apontam para suspeitas de que o dinheiro tenha sido usado para o financiamento de campanhas políticas no Brasil.
Fontes próximas ao caso indicaram à reportagem que o volume de documentos poderia ser “decisivo” para a Operação Lava Jato, revelando quem teria sido beneficiado por supostas propinas e caixas 2 em partidos políticos. Não por acaso, a empresa tem conduzido uma intensa batalha judicial na Suíça para tentar impedir, a todo custo, que a informação completa seja enviada ao Brasil e usada nos processos.
Na quinta-feira, 25, reportagem publicada no jornal suíço Le Temps revelou ainda como a prisão de Marcelo Odebrecht no Brasil, em junho do ano passado, levou os bancos do país europeu a denunciarem dezenas de transações suspeitas em relação ao brasileiro e suas contas secretas. A reportagem aponta para o envolvimento sem precedentes de bancos suíços no escândalo de corrupção no Brasil.
Segundo a publicação, no dia seguinte à prisão do empresário, um número recorde de denúncias foram apresentadas ao órgão controlador do mercado financeiro da Suíça, conhecido por suas siglas FINMA. No total, 80 registros de suspeitas foram apresentadas de lavagem de dinheiro e corrupção, um volume inédito em apenas um dia.
Com base nos documentos já conhecidos no Brasil, o jornal ainda aponta para o amplo envolvimento de mais de 30 bancos suíços no esquema e como a Suíça se transformou em um porto segundo para recursos desviados de grandes obras, inclusive os Jogos Olímpicos. Procurados, os bancos se recusaram a comentar.
Dez anos depois de se lançar sobre o mercado brasileiro, os grandes bancos são agora acusados de negligência. Para o Ministério Público da Suíça, o caso é um dos mais complexos de sua história, envolvendo “alguns milhões de documentos”. Atualmente, uma equipe de dez pessoas se dedica exclusivamente ao caso brasileiro e suas ramificações.
O MP suíço garante que, uma vez terminada análise dos fluxos de dinheiro, os procuradores irão iniciar processos contra intermediários que ajudaram a abrir essa rede de contas.
A agência de regulação, que já abriu processos contra quatro bancos, também pode lançar novos casos em setembro, inclusive contra o PKB, um dos bancos mais citados por ex-dirigentes da Petrobras. Os bancos são acusados de aceitar dinheiro, sem perguntar sua origem.
Engrenagem
As delações premiadas revelam o amplo uso dos bancos suíços pelos suspeitos e indiciados no Brasil, incluindo J. Safra Sarasin, Julius Baer, Pictet, HSBC ou UBS.
De acordo com advogados ligados ao caso, o caminho do dinheiro seguia um padrão. Para que uma propina fosse paga, um intermediário era estabelecido e criava uma empresa de fachada para receber o dinheiro. Segundo o MP suíço, milhares de empresas foram criadas nesse período por pessoas envolvidas no esquema investigado pela Operação Lava Jato. Uma vez nessas contas, o dinheiro então era redistribuído aos beneficiários, em quatro ou cinco contas diferentes.
Segundo as investigações suíças, não haveria como os bancos ignorarem o fato de que essas transações teriam um caráter suspeito. Primeiro, por serem realizadas de forma regular, mas o que mais chamou a atenção dos investigadores foi o fato de que esse dinheiro era transferido de uma conta a outra, dentro dos mesmos bancos.
Procurada, a assessoria de imprensa da construtora indicou que a empresa não iria se pronunciar.(AE)
DP

MOSES RODRIGUES LIDERA PESQUISAS A PREFEITO DE SOBRAL

siob

O candidato Moses Rodrigues (PMDB) lidera pesquisas em Sobral com 36% seguido do Ivo Gomes (PDT) com 33%, Dr. Guimarães (PSDB) (15%)e Edmilson Moreira (PSOL)1%  todos com votos válidos. Branco/Nulos 7%, Não responderam 8%. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos.
As pesquisas foram realizadas pelo IBOPE e encomendada pela TV Verdes Mares de segunda-feira a quinta feira onde foram ouvidos 504 eleitores.

Deve ter sido muito difícil para o apresentador divulgar os números  desta pesquisa, uma vez que em uma entrevista com a imprensa cearense, o Governador chegou a dizer que perderia a eleição em todo lugar, menos em Sobral.

O IBOPE divulgou os votos válidos, onde são excluídos os votos brancos e nulos, vejam os resultados abaixo:

Moses Rodrigues -PMDB – 42%
Ivo Gomes  – PDT – 38%
Guimarães – PSDB – 18%

Edmilson Moreira – PSOL – 2%

REJEIÇÃO

Aquele candidato que o eleitor não votaria de jeito nenhum:

Edmílson Moreira – PSOL – 48%

Ivo Gomes – PDT – 38%

Francisco Guimarães – PSDB – 32%

Moses Rodrigues – PMDB – 27%

Poderia votar em todos – 1%

Não sabem/ não responderam – 8%

Avaliação da gestão do Prefeito Veveu Arruda(PT)

Ótima = 3%

Boa – 13%

Regular – 37%

Ruim – 11%

Péssima – 31%

Não sabem/não responderam – 5%

Aprovação do jeito de governar do Prefeito Veveu Arruda(PT):

Aprovam – 27%

Desaprovam – 63%

Não sabem/não responderam – 10%

Parque Silvana em Foco

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

MORRE RADIALISTA E ADVOGADO IRAZER GADELHA

irazergadelha

Vítima de infarto, morreu, nesta quinta-feira, o advogado e radialista Irazer Gadelha. Irazer passou mal quando se encontrava na sede da Federação Cearense de Futebol (FCF), onde trabalhava profissionalmente.
Irazer foi diretor do time do Ceará e também apresentou o extinto Jornal do 10, da TV Verdes Mares.
A família ainda não informou sobre velório e o enterro.
(Foto – Paulo MOska)

PROCURADORIA APONTA MAIS DE 5 MIL ‘FICHAS-SUJAS’


Relatórios do Ministério Público Federal já apontam 5.179 candidatos com irregularidades para as eleições de 2016. O número foi obtido pelo Sisconta Eleitoral, sistema criado para receber e processar nacionalmente as informações de inelegibilidade pelos critérios da Lei da Ficha Limpa – Lei Complementar 135/2010). Os dados estão sendo analisados pelos promotores eleitorais, que podem pedir a impugnação dos candidatos considerados ‘ficha-suja’.
As informações foram divulgadas nesta quinta-feira, 25, pela Procuradoria-Geral da República.
O levantamento abrange os 488.276 candidatos que já pediram registro à Justiça Eleitoral em todo o Brasil.
O Sisconta recebe os dados de todos os políticos e faz o cruzamento com as informações de irregularidades fornecidas pelo Judiciário, tribunais de contas, casas legislativas e até conselhos profissionais.
A partir da publicação dos pedidos de registro pela Justiça Eleitoral, os promotores têm 5 dias para apresentar a impugnação, nos termos da Lei da Ficha Limpa.
Segundo a coordenadora do Grupo Executivo Nacional da Função Eleitoral (Genafe), Ana Paula Mantovani, “infelizmente, a legislação e as resoluções do Tribunal Superior Eleitoral para as eleições de 2016 não exigiram dos candidatos a apresentação das certidões cíveis, onde poderia constar a inexistência de causas de inelegibilidade, e a tarefa de descobrir eventual causa que importe na inelegibilidade dos candidatos fica a cargo do MP Eleitoral”.
“O Sisconta, ao cruzar as informações com milhares de dados recebidos, já aponta ao promotor eleitoral uma possibilidade de impugnação do registro”, disse Ana Paula Mantovani.
São Paulo foi o campeão em número de relatórios: são 1.420 candidatos apontados com irregularidades. Depois vem Minas, com 640, e o Paraná, com 476.
Esses números devem aumentar porque a Justiça Eleitoral continua analisando os pedidos de registro. Depois de ajuizadas as ações de impugnação, cabe à Justiça Eleitoral decidir pelo deferimento ou não dos registros.
O Sisconta foi desenvolvido pela Secretaria de Pesquisa e Análise (Spea) da Procuradoria Geral da República.
Utilizado pela primeira vez nas eleições de 2012, o sistema permitiu ao Ministério Público Eleitoral produzir relatórios diários com o resultado de cruzamentos dos registros bancários das contas-correntes eleitorais com os dados das prestações de contas dos candidatos.
Depois, foi ampliado para uso nas eleições de 2014, a pedido da Procuradoria Geral Eleitoral, por intermédio do Genafe.
A novidade para as eleições de 2016 é que os promotores eleitorais agora têm acesso direto ao Sisconta Eleitoral.
Segundo o secretário-adjunto de Pesquisa e Análise, Victor Veggi, “além do módulo conta suja, que permitirá a identificação de possíveis irregularidades no financiamento eleitoral, o Sisconta avançou ao permitir o acesso externo pelos promotores eleitorais, o que foi essencial para a direta identificação das notícias de inelegibilidade e impugnação de candidaturas”.
Segundo o vice-procurador-geral eleitoral, Nicolao Dino, todos os trabalhos desenvolvidos “têm por objetivo último dotar o Ministério Público Eleitoral de boas condições para atuar com agilidade e eficiência, apresentando as impugnações e representações que forem necessárias a assegurar a legitimidade e a normalidade das eleições”.(AE)

MORO DEVOLVE PASSAPORTE DA MULHER DE EDUARDO CUNHA

Eduardo Cunha e sua mulher Claudia Cruz

O juiz federal Sergio Moro determinou que seja devolvido o passaporte de Cláudia Cruz, mulher do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ). A decisão atende a um pedido da defesa dela.
A força-tarefa da Lava Jato havia se manifestado contra o pedido da jornalista para devolução de seu passaporte pela Justiça Federal em Curitiba. Os procuradores da República que investigam Cláudia temiam que ela pudesse fugir do país. Na decisão, Moro afirmou que “foi iniciativa da própria defesa o depósito do passaporte em Juízo”.
“De todo modo, não foi decretado por este Juízo medida cautelar de proibição para que Cláudia Cordeiro Cruz deixe o país. Considerando ainda o papel subsidiário da acusada no suposto esquema criminoso, não vislumbro razões concretas para estabelecer tal proibição, reputando remoto o risco à aplicação da lei penal especificamente quanto a ela”, anotou o juiz da Lava Jato. “Assim, autorizo a devolução do passaporte de Cláudia Cordeiro Cruz à Defesa, mediante termo.”
Segundo o advogado Pierpaolo Bottini, “Claudia sempre se colocou à disposição do juízo, prestou informações, depoimentos, e continuará colaborando, de forma que não havia motivo para a apreensão de seu passaporte”. Para a defesa, a decisão levou em consideração esses fatos e concluiu “pela desnecessidade de qualquer medida cautelar.”
(Com Estadão Conteúdo)

FORTALEZA É A CAPITAL COM MAIS HOMICÍDIOS POR ARMAS DE FOGO

Divulgação

“Assustador” é o adjetivo que o “Mapa da Violência 2016: Homicídios por Arma de Fogo no Brasil” usa para indicar o crescimento do número de homicídios provocados por arma de fogo em capitais do Nordeste – notadamente Fortaleza, que ocupa o primeiro lugar no ranking que elenca as maiores taxas de mortes em 2014. A capital cearense tem taxa de homicídios por arma de fogo de 81,5 para cada 100 mil habitantes.
Esse tipo de crime foi o que vitimou o irmão do empresário Fontenele Filho, 26, em 1999. Thiago Fontenele, de 21 anos, estava no carro e deixava a namorada em casa quando um homem armado disparou um tiro contra seu olho direito. “O executor não esboçou nenhuma intenção em abordá-lo. Simplesmente atirou.” Thiago ficou três dias internado e teve morte cerebral.
Da virada do século até a década atual, milhares de situações assim se repetiram, fazendo com que o número de homicídios por arma de fogo em Fortaleza saltasse de 422 em 2004 para 2.026 em 2014 – variação de 380%. Este último ano do recorte do Mapa da Violência foi quando a cidade viveu um pico de homicídios. É o que explica o sociólogo Ricardo Moura, do Laboratório de Estudos da Violência (LEV) da Universidade Federal do Ceará (UFC).
Motivos
Segundo o pesquisador, a dinâmica de mortes intencionais provocadas por arma de fogo em Fortaleza é bastante complexa, mas ele aponta alguns dos fatores que fazem parte dela, como a expansão do tráfico de drogas, que passou a deter territórios maiores e a ter acesso a armas, o grande número de jovens entre a população da cidade (segundo o Mapa da Violência, pessoas entre 15 e 29 anos, principalmente homens, são a maioria das vítimas de homicídios por arma de fogo no Brasil), o crescimento urbano desordenado e o desenvolvimento econômico que provoca desigualdade.
“Em geral, as pessoas morrem em locais próximos de suas residências e em áreas de vulnerabilidade, precárias do ponto de vista de saneamento e acesso a serviços. Ou seja, já há uma realidade ali desafiadora para os moradores e, aí, entra o componente da violência, que gera uma devastação muito grande para uma área que já é bastante vulnerável.”
Falha da polícia e da Justiça
De acordo com Moura, outro componente dessa dinâmica foi a incapacidade da Polícia Civil e da Justiça de acompanhar a profusão de crimes. “Nesse período, a Polícia Civil foi perdendo sua capacidade de investigar e de dar respostas mais rápidas e ágeis. Os crimes foram se sucedendo e a polícia não conseguia identificar autores, punir. Temos também um sistema judiciário ainda incapaz de dar conta dessa expansão de ocorrências. As estruturas do Poder Judiciário refletem uma realidade que hoje já mudou: temos as mesmas varas do juri e são poucos os processos julgados para a quantidade de crimes que ocorreram.”
O assassinato de Thiago Fontenele reflete essa realidade. Segundo Fontenele Filho, as investigações sobre a morte do irmão não chegaram aos verdadeiros autores nem à motivação do crime. “Teve muita investigação, mas com pouco resultado. À época, houve muita pressão da imprensa e a polícia trabalhou até como resposta à mídia. A gente tem convicção de que o resultado não foi real.”
Dados atuais
Embora retrate um cenário recente, o Mapa da Violência ainda não analisou os resultados das novas ações de combate ao crime em Fortaleza. Após 2014, a capital começou a apresentar sucessivas quedas no número de mortes violentas. Entre 2014 e 2015, segundo dados da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Ceará, a capital reduziu 17% dos chamados Crimes Violentos Letais Intencionais. Entre janeiro e julho deste ano, a redução foi 37% se comparado com o mesmo período do ano passado.
“De 2015 para cá, começamos a ver um decréscimo dessas mortes, o que deverá ser observado no Mapa da Violência do ano que vem. No entanto, isso não significa que esta não seja uma situação chocante, que ultrapassa qualquer limite razoável de níveis de violência. Ainda que os números estejam caindo, eles são bastante altos e extrapolam os indicadores internacionais de violência e homicídios”, diz Ricardo Moura.
Os dados preliminares de agosto, por exemplo, mostram que houve 77 homicídios em Fortaleza até o dia 22. Desses, 70 foram ocasionados por armas de fogo. Os dados são computados pela Secretaria de Segurança.
Integração
Desde 2014, as forças de segurança do Ceará fazem um trabalho integrado entre as polícias Civil e Militar e o Corpo de Bombeiros que foi batizado de Em Defesa da Vida. Todo o estado foi dividido em 18 Áreas Integradas de Segurança, sendo seis em Fortaleza. Cada área tem metas de redução de crimes e os locais onde há ocorrências são georreferenciados, com informações sobre dia e horário dos fatos, para indicar possíveis ações de combate à criminalidade.
Segundo a secretaria, além da redução no número de mortes violentas, as ações do programa também possibilitaram a apreensão de mais de 10 mil armas nos últimos 19 meses.
Para o pesquisador, houve uma racionalização da ação policial no Ceará, com o melhor gerenciamento do efetivo e o estabelecimento de metas para alcançar os resultados. Quando foi criado, o Programa Em Defesa da Vida tinha como meta a redução de 6% no número de crimes violentos letais no estado.
“De três anos para cá, os resultados da ação policial passaram a ser mensuradas e o efetivo foi melhor distribuído territorialmente. Para que se possa ter um trabalho de política pública, é preciso criar métricas. Isso gera em pouco tempo um bom resultado e contribui para vermos a perspectiva de tendência de queda.”
Fonte: Agência Brasil

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

SENADO APROVA RENOVAÇÃO DA DRU ATE 2023 E TEXTO VAI A PROMULGAÇÃO

Plenário do Senado Federal durante sessão que aprovou a desvinculação das receitas da União, estados, DF e municípios até 2023

O Senado aprovou nesta quarta-feira a proposta de emenda à Constituição que renova de 2016 até 2023 a Desvinculação de Receitas da União (DRU), mecanismo que permite ao governo remanejar livremente 30% do que arrecada.
O instrumento fiscal, que perdeu a vigência no fim de 2015, é considerado prioritário pelo governo do presidente interino Michel Temer, que buscava recriar o mecanismo para ajudar o governo a cumprir sua meta fiscal.  Com isso, 30% das receitas obtidas com taxas, contribuições sociais e de intervenção sobre o domínio econômico (Cide), atualmente carimbadas para órgãos, fundos e despesas específicas, podem ser realocadas.
Essa autorização será dada retroativamente até 1º de janeiro deste ano, e a porcentagem será maior que o permitido na vigência anterior da norma, que era de 20%. A medida autoriza ainda Estados, Distrito Federal e municípios a implantarem um mecanismo fiscal semelhante.
A votação em segundo turno estava prevista inicialmente apenas para 8 de setembro, mas foi realizada já na noite desta quarta-feira após senadores do PT e PSDB fazerem um acordo para quebrar o prazo regimental de três sessões exigido entre as duas votações. Em troca de petistas concordarem em concluir a votação da DRU, os tucanos aceitaram votar ainda hoje o reajuste gradativo do salário do defensor-público Geral da União.
A PEC da DRU foi aprovada no Senado na segunda tentativa de votação. Na última quarta-feira, 17, o presidente do Senado suspendeu a votação em 1º turno da proposta, em uma manobra para impedir que o governo do presidente em exercício Michel Temer sofresse sua primeira derrota na Casa. Isso porque não havia quórum mínimo necessário de 49 senadores presentes (equivalente a 3/5 dos 81 integrantes do Senado) para que a matéria fosse aprovada.
(Com Reuters e Estadão Conteúdo)

JUSTIÇA MANDA DEVOLVER MATERIAL APREENDIDO DA CANDIDATURA DO CAPITÃO WAGNER

eleições 2016 pr 0824 apreensão

A Justiça Eleitoral determinou a devolução do material apreendido na noite dessa terça-feira (23) da candidatura Capitão Wagner (PR) à Prefeitura de Fortaleza.
Uma operação coordenada pelo Tribunal Regional Eleitoral havia apreendido diversas caixas de material de campanha do candidato, incluindo grande volume de adesivos e faixas. A apreensão ocorreu porque o espaço do postulante a vice da chapa, Gaudêncio Lucena (PMDB), em parte do material não respeitava proporção mínima de 30% com relação ao nome de Wagner prevista na legislação eleitoral.

LAVA JATO: PGR INVESTIGA 364 DEPUTADOS, SENADORES E MINISTROS

A roubalheira à Petrobras já implicou 364 políticos, incluindo deputados, senadores e ministros de Estado, todos enrolados em inquéritos pedidos pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e autorizados pelo ministro relator Teori Zavascki do Supremo Tribunal Federal, 14 deles já se transformaram em denúncias. No total, a Lava Jato já recuperou R$ 659 milhões desviados da Petrobras para o exterior.
A PGR divulgou os dados nesta quarta (24), mostrando que o número de inquéritos contra políticos envolvidos direta ou indiretamente com o assalto à estatal do petróleo passou de 28, contra 54 pessoas, em março de 2015, para 81 inquéritos envolvendo 364 políticos. Neste período, além de homologação de 41 acordos de delação premiada, o STF autorizu a quebra de 147 sigilos fiscais, 168 bancários e 122 telefônicos.
Entre os enrolados estão a presidente ré, Dilma Rousseff, o ex-presidentes Lula, Fernando Collor e Sarney, além do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), o ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e o senador Romero Jucá (PMDB-RR).

GILMAR CHAMA REGALIAS DE JUÍZES DE "GAMBIARRAS INSTITUCIONAIS"


O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, voltou a criticar o excesso de vantagens recebidas por juízes de instâncias inferiores. Nesta terça-feira, 23, ele havia dito que o Judiciário se aproveita da autonomia financeira e administrativa para fazer "seu pequeno assalto". Nesta quarta-feira, 24, em visita ao Senado Federal, Mendes classificou o excesso de benefícios como um "modelo de gambiarras institucionais".
Mendes defendeu que a proposta que eleva o vencimento dos ministros do STF e o teto do funcionalismo dos atuais R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil precisa ser discutida no Congresso para fixar a remuneração do Judiciário. O projeto está atualmente na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado. Hoje, após se reunir com Mendes, o presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse que vai acelerar a tramitação para que o projeto seja votado no dia 6 de setembro.
"A gente precisa encerrar na esfera do Judiciário esse modelo de gambiarras institucionais. Nós temos problemas, e aí criamos um auxílio moradia, com base em liminares e regulação do Conselho Nacional de Justiça, e acho que nós devemos ter remuneração fixada com base na lei", afirmou Mendes.
Segundo o ministro, muitos desembargadores estão ganhando mais do que o triplo do teto do STF, chegando a ganhar R$ 100 mil por mês. "Eles estão descumprindo a Constituição e isso precisa ser ajustado", defendeu.
Questionado sobre a nota de repúdio da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) contra ele, Mendes não quis comentar. A AMB acusou o ministro de se aproveitar de um "momento fundamental para a democracia para buscar espaço midiático".
"É lamentável que um ministro do STF, em período de grave crise no País, milite contra as investigações da Operação Lava Jato, com a intenção de decretar o seu fim, e utilize como pauta a remuneração da magistratura. O ministro defende financiamento empresarial de campanha e busca descredibilizar as propostas anticorrupção que tramitam no Congresso Nacional, ao invés de colaborar para o seu aprimoramento", diz a nota da AMB. Ontem, Mendes também criticou os procuradores do Ministério Público e o pacote das dez medidas anticorrupção.
No texto, o presidente da Associação, João Ricardo Costa, fez diversas insinuações contra Mendes. "A AMB repudia que autoridades se aproveitem de um momento tão fundamental para a democracia para buscar espaço midiático, desrespeitando as instituições", declarou. "Sustentamos outro conceito de magistratura, que não antecipa julgamento, não adota orientação partidária, que não exerce atividades empresariais, que respeita as instituições e, principalmente, que recebe somente remuneração oriunda do Estado", continuou.
Os juízes alegam que possuem "limitações legais" que os impedem de ter outras fontes de renda além da remuneração pelo exercício dos seus cargos. "A AMB considera inadmissível qualquer ataque vindo de autoridades e instituições ligadas ou não ao Poder Judiciário. Não serão aceitas manifestações deselegantes e afrontosas, ainda mais feitas por integrantes do Judiciário que não iniciaram carreira na primeira instância."
Presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Mendes veio ao Senado para o lançamento da Cartilha "Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Federais nas Eleições 2016", da Advocacia-Geral da União.
DP

DELEGADO DR. JOÃO HENRIQUE FALA SOBRE O CASO DAS JOVENS ESPANCADAS NO BAIRRO TERRENOS NOVOS





O Delegado Municipal de Sobral, Dr. João Henrique, fala sobre as cenas de torturas sofridas por duas jovens na data de ontem (23) na cidade de Sobral.


Sobral 24hs

terça-feira, 23 de agosto de 2016

PERSEGUIÇÃO: MULHERES SÃO TRATADAS COMO BANDIDAS DURANTE EVENTO POLÍTICO EM SOBRAL




Na noite desta terça-feira (23), um evento político organizado pela Ala Feminina do PMDB, em apoio à candidatura de Moses Rodrigues, prefeito, e Sidcley Tavares, vice prefeito, acabou sendo impedido pela ação da justiça eleitoral, juntamente com o braço armado do estado.


Em demonstração nítida de perseguição política, esteve presente no local uma força policial digna de um combate a grandes criminosos que fizeram coisas terríveis.

Afinal, a Polícia Militar levou viaturas do Ronda do Quarteirão e da Força Tática. O encontro seriam um bate-papo das mulheres da Ala Feminina do PMDB, com o médico e máster coaching, Dayan Siebra, que havia declarado apoio a Moses e Sidcley, indo de forma voluntária até o local.

A perseguição política está apenas começando em terra dominada pela Família Ferreira Gomes e seu grupo que domina há vinte anos a política sobralense.

Fonte: Sobral Sem Máscara